vie., 14 ago. | Canal PPGE-UFJ: http://youtube.com/ppge-ufj

Aspectos metodológicos na pesquisa sobre capital financeiro no ensino superior

Webnário: Aspectos metodológicos na pesquisa sobre capital financeiro no ensino superior. Palestrante: Allan Kenji Seki (UFSC/EFOP Vânia Bambirra) Mediação: Fernando Santos (UAEEDU-UFJ) Data: 14 de agosto às 14h30min. Inscreva-se no Canal do PPGE-UFJ no YouTube: http://youtube.com/ppge-ufj
A inscrição está fechada
Aspectos metodológicos na pesquisa sobre capital financeiro no ensino superior

Horário e local

14 ago. 2020 14:30
Canal PPGE-UFJ: http://youtube.com/ppge-ufj

Sobre o evento

No próximo dia 14 de agosto, a partir das 14h30min., será realizado o webnário “Aspectos metodológicos na pesquisa sobre capital financeiro no ensino superior” com o Prof. Dr. Allan Kenji Seki. Formado em Psicologia (UFSC), com Mestrado e Doutorado em Educação (UFSC), Allan tem diversas publicações sobre a temática da reforma da educação superior e o processo de financeirização do capiatl. É membro do Grupo de Investigação e Pesquisa em Educação GIPE-Marx (UFSC) e da Escola de Formação Política da Classe Trabalhadora - Vânia Bambirra. 

A atividade, promovida pelos grupos de pesquisa Germinal e NUFOPE, é parte da programação do “V Encontro teórico-metodológico de pesquisa em Educação”e “V Ciclo de Palestras” e conta com o apoio do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Jataí (UFJ).

Anote em sua agenda:

Webnário: Aspectos metodológicos na pesquisa sobre capital financeiro no ensino superior.

Palestrante: Allan Kenji Seki (UFSC/EFOP Vânia Bambirra)

Mediação: Fernando Santos (UAEEDU-UFJ)

Data: 14 de agosto às 14h30min.

Haverá emissão de certificados. Inscrições durante a transmissão do evento.

Inscreva-se no Canal do PPGE-UFJ no YouTube, comente, compartilhe e acione o alerta para os novos vídeos.

A inscrição está fechada

Compartilhe este evento

Logo_EFoP_4_edited.png

Escola de Formação Política da Classe Trabalhadora -

Vânia Bambirra

[...] as mulheres, as operárias e camponesas em particular, têm dupla razão para serem revolucionárias